Quem acompanha as minhas colunas certamente deve saber da minha consideração pelo início de trabalho de Guto Ferreira, e por se tratar justamente de uma largada de um novo método de trabalho, por vezes tentei pontuar os aspectos positivos dessa evolução. Entretanto o comandante colorado vem tomando decisões equivocadas, sendo uma delas a utilização dos três atacantes, esquema que vem se mostrando totalmente ineficaz, como visto na última partida onde não passamos de um empate diante do América/MG em Belo Horizonte.

O trio de avantes utilizados atualmente diminui e muito o poder de efetividade do meio-campo alvirrubro, com o dever de distribuição de jogo ficando quase todo por conta de D’Alessandro, que apesar da espetacular qualidade técnica não é mais nenhum juvenil, geralmente jogando com dois cabeças de área sem muita saída de bola, a meia cancha de Guto fica descompactada pela enorme diferença de característica entre seus componentes.

E esse rombo no setor de meio-campo desencadeia também na linha defensiva, carro-chefe para qualquer formação, que necessita de proteção e organização mais do que qualquer outro setor, ainda mais após a lesão de Victor Cuesta, que vinha se destacando na equipe. Seus substitutos são bastante questionados por parte dos torcedores já que o miolo da defesa vem constantemente tendo más atuações, muito também por conta dessas lacunas que a maneira de jogar oferece.

O coringa do treinador e motivo pela retirada dos três dianteiros, atende-se por Juan, joia da base que promete render bons frutos no futuro e que desperta a vontade desse que vos fala de vê-lo jogando ao lado de el cabezón, afinal quem não aprovaria esse “dueto”!? Edenílson ao lado de Dourado me parece bastante positivo e simplista, assim como o futebol deve ser tratado, mais simplicidade, menos “inventismo”.

Abraço a nação colorada!

Leandro Tavares / Contato: https://twitter.com/LeTavares5