Apressado escrevo uma observação sobre a postura do Jornal Zero Hora de Porto Alegre nesta sexta-feira, utilizando a cômica estratégia da agenda negativa no dia em que o SCI iniciava uma campanha de UNIÃO e APOIO pela disputa da Série B. 

Quase tudo já foi dito (e muito bem) pelo jornalista colorado Fabiano Baldasso em seu vídeo (link), mas vou além.

Não bastasse apenas tentar desmobilizar e mostrar um clube e torcida frágil, o jornalista foi completamente contrário as palavras do próprio presidente do Internacional, Marcelo Medeiros, que dois dias antes falava oportunamente sobre o assunto à Rádio Guaíba, na seguinte matéria postada pelo próprio SCInternacional.net, em que informava de maneira clara e objetiva o momento do quadro social interista:

"O quadro social está equilibrado, continua sendo nossa principal receita. Está tudo sob controle, vamos lançar uma campanha de marketing agora por início da série B e algumas ações para aumentar o quadro social e nossa receita. Estamos tratando fortemente de diminuir as despesas do clube. Mas o Inter que sempre foi protagonista no quadro social, é natural que os clubes do centro do país com maior poderio econômico e torcidas muito abrangentes também seguissem o modelo do Inter e tenham em seu quadro social uma receita importante. Nós não estamos fazendo uma corrida de qual é o clube que tem o maior quadro social mas temos que ter uma visão interna que dentro dessa rubrica a gente pode crescer e arrecadar mais verbas para o clube.

Mas indo além, os números divulgados na própria matéria mostram um aumento significativo de novos associados mesmo em um ano de Série B.

Associações mês a mês

Janeiro de 2016: 366 novos sócios (Fonte ZH Esportes)
Janeiro de 2017: 942

Fevereiro de 2016: 351
Fevereiro de 2016: 746

Março de 2016: 559
Março de 2017: 1.591

Abril de 2016: 688
Abril de 2017: 2.067

Se as palavras do próprio presidente do Internacional e os números não escancaram uma completa má vontade (para não ir além) na publicação em um dia crucial para os colorados - prévio na luta pelo regresso - deixo para vocês caros leitores o questionamento: qual seria a aspiração desse tipo de notícia?

Existem muitos jornalistas exemplares na ZH, ontem mesmo o Portal SCInternacional.net apresentou uma entrevista com o analista Gustavo Fogaça, e outros tantos colorados (Leandro Bortholacci) são bons exemplos, e poderiam ser gremistas, não se trata disso.

Me dirijo claramente a você colorado(a) que lê essas bobagens (como da notícia do gremista que irá assistir a estreia do Inter em Londrina, algo interessantíssimo) postadas e se pergunta para que raios está indo a mídia como um todo? Por que em vez de se preocuparem em noticiar conteúdos sobre sistemas táticos, técnica, entrevistas, opiniões, informação de verdade, preferem mostrar o “galã da PF” e o gremista que irá viajar para a estreia do Inter?

É realmente esse tipo de produto que queremos consumir? Conversando com minha noiva dias atrás reparamos que a TV a cabo (antes tida como exemplo de bom conteúdo) parou de transmitir programas interessantes tais quais como documentários bem trabalhados sobre ciência, educação, sociologia, e transformou todo tipo de patetice em “Reality Show”. Veja como os “caipiras americanos vivem”, ou o que “Paris Hilton faz 24h por dia”, conteúdos realmente significativos e com real importância desapareceram e estamos na Era do preciso chamar a atenção entre outros milhares de links fúteis.

O relevante não é o que eu disse mas os porques inseridos no que eu disse. O Inter encara o pior ano de sua história e para se reerguer precisa de cada torcedor, cada grãozinho desse enorme monte unido e focado no objetivo de lotar o Beira-Rio, apoiar o clube como se fosse uma Libertadores, associar-se em massa (aos que tem condições, é claro) e torcer, porque por mais que o futebol se desenvolva e evolua ele continua básico em alguns preceitos: é e sempre será feito por pessoas e por paixão incondicional,  tal qual o nosso amor ao Sport Club Internacional. 

Estejamos atentos mas cientes que não podemos pautar o conteúdo de qualquer empresa privada jornalística, mas esqueçamos a partir deste ponto o que a mídia em geral publica e vamos com foco, apoio e união enfrentar esse desafio e ressurgir ainda maiores, o momento pede apenas isso. Assim não esqueçamos: nossa torcida não é representada pelo que dizem sobre nós mas pelas nossas atitudes. 

Por Alan Rother - Contato: https://twitter.com/Celta_Bardo