Um juiz espanhol reabriu o processo que investiga a partida entre Zaragoza e Levante pela última rodada do Campeonato Espanhol de 2011, e os 41 envolvidos no caso perigam pegar uma pena de dois anos de prisão, além da suspensão de seis anos do futebol. Aparece na lista entre os 36 jogadores acusados Wellington Silva, do Inter. As informações são do jornal "Marca", via Globoesporte. Hoje no Beira-Rio, o atacante defendia o Levante na época.

Uma prisão, entretanto, é vista como improvável. De acordo com a legislação espanhola, em caso de condenação igual ou inferior a dois anos e na ausência de antecedentes, os jogadores não precisarão cumprir a pena na cadeia mesmo que sejam considerados culpados pela Justiça.

A corte, baseada em Valência, decidiu reabrir o caso depois de apelação da promotoria. Movimentações bancárias "muito claras" são indícios que levam tanto a corte quanto a promotoria a crer que os jogadores do Levante perderam a partida de propósito para salvar o Zaragoza do rebaixamento.

O jogo marcou a permanência do Zaragoza na elite espanhola após a vitória de 2 a 1. A suspeita é que jogadores tenham repassado € 965 mil (cerca de R$ 3 milhões e 775 mil na cotação atual) aos jogadores do Levante para que eles perdessem a partida. 

Zaragoza e Levante, assim como os jogadores que representavam ambas as equipes na época, negam que esse fato tenha acontecido. 

Os jogadores envolvidos:

Levante: Miguel Pallardó, Gustavo Munúa, Héctor Rodas, Rafael Jordá, Rubén Suárez, Xavi Torres, Christian Stuani, Wellington Silva, Jefferson Montero, Miguel Robusté, Javi Venta, Manuel Reina, Felipe Caicedo, Vicente Iborra, Xisco Muñoz, Sergio Ballesteros, Juanfran García e David Cerrajería.

Zaragoza: Maurizio Lanzaro, Toni Doblas, Paulo da Silva, Jorge López, Ander Herrera, Braulio Nóbrega, Leo Ponzio, Gabi Fernández, Carlos Diogo, Ivan Obradovic, Ikechukwu Uche, Adam Pinter, Javier Paredes, Leo Franco, Jiri Jarosik, Nicolás Bertolo, Said Boutahar e Ángel Lafita. Também o treinador mexicano Javier Aguirre.