A taça da primeira edição do Brasileirão de Aspirantes repousará em solo gaúcho, na parte vermelha dele, competição essa que é considerada um marco no que diz respeito a subida de possíveis jovens talentos ao time principal, por justamente se tratar do último degrau antes dele, há algumas peças a se lapidar e as escolhas certas destas farão toda diferença.

Com quatro vitórias, três empates e apenas uma derrota o jovem comandante Ricardo Cobalchini guiou o grupo colorado a conquista nacional, diante disso crescem as especulações de qual ou quais atletas deveram servir o carro chefe em dezoito, já que com a volta à elite uma reformulação de elenco me parece algo irrevogável e é nesse contexto que adentram as futuras promessas.



Nomes como o veloz e perspicaz Ronald e o firme beque Fábio Alemão parecem ser figuras carimbadas para o ano que vem mas sempre há o outro lado da moeda, jogadores devem ser puxados de acordo com as lacunas da "tropa" de cima, mas é claro buscando sempre a melhor matéria prima disponível.

Essa cultura vencedora é sim importante assim como um orgulho para a nação alvirrubra mas de jeito e maneira deve mascarar a qualidade em mãos, assim como uma eliminação precoce não deve ser objeto de contestação desde que se mostre recursos, há de se observar, a base é uma conjuntura formadora não necessariamente ganhadora.

Abraço a nação colorada!!!

Por Leandro Tavares / Contato https://twitter.com/LeTavares5