Texto por Colaborador: Redação 15/01/2021 - 12:10

Em emtrevista da ZH Esportes com o técnico Colorado AbelBraga, o comandante Vermelho falou a respeito de vários temas, e respondeu principalmente a respeito do substituto de Rodrigo Moledo, fora da temporada por lesão, além de projetar o clássico Gre-Nal nas próximas semanas. Confira os principais trechos.

TEXTO:

Sobre Lucas Ribeiro: "Ele tem uma agressividade muito grande e uma velocidade surreal. É incrível a impulsão dele. Para a idade, é um zagueiro completo. Não se apavora com nada. Você vê quem em dois jogos eu coloquei como volante para dar um sustento melhor, e ele entrou como se estivesse treinando. É de um nível muito alto e diferente".

Sobre marca no comando do Inter:  "Ser o técnico que mais treinou o Inter vai ser mais importante para mim. Vai ser maior que tudo. Esse clube tem mais de cem anos! Eu fui uma peça de uma grande engrenagem que foi a conquista da primeira Libertadores e do título do Mundial. Não foi o Abel que ganhou, eu só estava junto. Agora, eu ser o cara que mais treinou, sou eu. Isso não tem preço. Tomara que papai do céu não me pregue nenhuma peça até o final. Depois eu perco um jogo ou outro e sou despedido (risos). Pelo amor de Deus! Se isso acontecer, eu vou ajoelhar e dizer: me deixa terminar aqui, pelo amor de Deus! Esse vai ser o maior troféu. Vai simbolizar tudo aquilo que eu fiz até hoje no Inter."

Sobre seu futuro: "Pela minha cabeça isso passa (ser coordenador ou dirigente). Um ou outro clube já me questionou se eu gostaria de assumir este cargo quando parar de treinar. Mas quando eu parar. Não vão me parar com outro cargo. Não é por aí. Quando eu decidir, deu. Mas já posso te adiantar, não vou ficar treinando mais do que dois anos depois deste Brasileiro aí. A ideia é essa. No momento, pode ser até que eu venha tomar esta decisão. Mas sou eu quem vai tomar esta decisão, não vai ser por convite. Eu que sei quando vou parar.

Sobre o clássico Gre-Nal: "Participar de um Gre-Nal é sempre muito bom. Um dos grandes motivos de não estar conseguindo ganhar o grande rival é o fato de estar pilhado com a necessidade excessiva de vencer. Nos últimos clássicos que vi, o Inter estava muito nervoso para querer vencer, e o Grêmio muito à vontade. Para melhorar a performance, tem que ter equilíbrio. Uma equipe da qualidade do Grêmio, bem treinada e trabalhada pelo Renato, não pode ficar numa zona de conforto. Eles estão muito tranquilos dentro do jogo e nós temos que atrapalhar isso aí um pouquinho."

Categorias

Ver todas categorias

Miguel A. Ramírez é o nome certo para comandar o Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

2638 pessoas já votaram