Texto por Colaborador: Redação 06/01/2021 - 17:00

A nova diretoria tem JorgeAvancini como o novo vice-presidente de Marketing. Confira a entrevista do novo diretor ao site GloboEporte.com. Avancini afirmou que o foco será em parceiros regionais e no fomento das redes sociais além da meta de buscar uma marca de sócios. Confira os principais trechos

TEXTO:

Como é voltar ao clube depois desse tempo? "É uma emoção muito grande ser lembrado pelo Conselho de Gestão, contribuir neste caso tão importante. Ainda mais nestes novos tempos. São cinco anos longe, mas acompanhei de perto. Quando podia, ia aos jogos e honrava os compromissos como sócio. Agora com a oportunidade de participar do projeto, fico muito feliz. Remontar o clube todo, fazer eficiente, reduzir a sangria, gerar novos recursos. É legal. Muito a aprender, contribuir."

O que mudou no marketing dos clubes nesse período? "Teve o avanço do digital. Quando saí, as redes sociais eram muito novas. Elas não tinham se consolidado. O próprio torcedor não via a força da rede social. Isso fica muito mais claro no Bahia, que o torcedor é muito ativo nas redes sociais. Usamos muito a nosso favor. Sem muito dinheiro, partimos para esse caminho e hoje o Bahia é referência. Quando cheguei em 2002, o desafio era ter o site e depois o Orkut. Hoje muita gente nem sabe o que é, hoje é streaming."

Como será o trabalho no clube? "Principalmente, bato na tecla que os planos de sócios no Brasil chegaram ao limite. Eles foram na maioria inspirados naquele do Inter, que foi o primeiro. É preciso revisar. O do Inter vai fazer 20 anos. Outro desafio grande será atender o público de zero a 20 anos, que nasceu fincado no celular. O da tua geração, do videogame, ainda vê um pouco de TV e o da minha idade, acima de 50 anos, que não nasceu no digital, nem no controle remoto. E nisso os homens e mulheres. O Inter tem mais de 25% de sócias e precisamos crescer. Elas são muito importantes para nós. Precisamos padronizar uma linguagem. Não ser arrogante, mas ensinar a navegar nas redes sociais e tirar proveito disso. O foco será no quadro social para chegar aos 200 mil. E fazer o Inter ser o clube mais digital do Brasil. É preciso de recurso, apoio. Precisamos correr.

Como chegar a esse número: "Todo presidente é insaciável. E está certo, por isso é presidente. Temos que revisar os planos. O Inter é um clube popular. Precisamos olhar esta massa de torcedores, quem perdeu emprego na pandemia, ou que tem a remuneração menor. Precisamos olhar, com as nossas limitações, capacidade de recurso. Não será um ano fácil para nós. O presidente não soltará muito dinheiro. Vai apertar o cinto. Precisamos buscar parceiros que apoiem, se engajem. Atender todas as classes, dos mais humildes aos mais abastados. Nosso clube foi criado com esse perfil.

Categorias

Ver todas categorias

Miguel A. Ramírez é o nome certo para comandar o Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

849 pessoas já votaram