Texto por Colaborador: Redação 17/03/2020 - 03:00

Walter Feldman, secretário-geral da CBF, conversou sobre os rumos do futebol brasileiro em tempos de pandemia do novo Coronavírus, em rápida entrevista a Rádio Guaíba, nesta segunda-feira(16). Deixando claro que a prioridade no momento é a saúde pública, o dirigente evitou qualquer suposição sobre o restante do calendário futebolístico. 

"Vínhamos discutindo o tema com o Ministério da Saúde e, na última sexta-feira, concluímos que havia a transmissão comunitária em Rio e São Paulo e decidimos paralisar competições nacionais (...) A CBF orientou a paralisação dos campeonatos estaduais, não definiu, até por questões constitucionais e entender que há características locais (...) Quando um clube se reúne, sabemos que há uma aglomeração própria. Nenhum clube se reúne com menos de cem pessoas. Tudo tem que ser visto à luz da saúde pública. O futebol não pode estar alheio", ressaltou sobre a chegada do surto no país.

Feldman também comentou sobre o possível cancelamento da Copa América, além do adiamento do Brasileirão 2020."A Copa América está muito próxima. O Conselho Executivo da Conmebol vai se reunir dia 19 para tomar uma decisão. A Conmebol tem sido muito sensata (...) Já sobre o Brasileiro, nesse momento, não tocamos nesse ponto. Temos confiança de que, se o Brasil tratar esse problema adequadamente, nós poderemos sair mais brevemente dessa crise".

Enquanto isso, o jornalista Cosme Rímoli, da Record, informa que a decisão do presidente da CBF, Rogério Caboclo, em deixar livre para as Federações decidirem sobre eventuais paralisações, foi uma questão "estratégica". De acordo com o blogueiro, Caboclo declarou aos presidentes das Federações que a Copa do Brasil só retornará no segundo semestre, além de um calendário até o dia 28 de dezembro.

Assim, a previsão da CBF é que, daqui no máximo, 21 dias, a pandemia do coronavírus recuará. Se a previsão não se efetivar, o futebol não retornará no país...

Categorias

Ver todas categorias

Você aprova a renovação de contrato de Rodrigo Dourado?

Sim

Votar

Não

Votar

675 pessoas já votaram