Texto por Colaborador: Redação 13/08/2020 - 22:20

O Inter voltou a vencer no Brasileiro, desta vez na estreia colorada em casa na Série A, neste domingo (13), pela 2° rodada. Com nova atuação consistente, Chacho reconheceu o bom nível de jogo na vitória sobre o Santos, mas ainda vê um torneio muito equilibrado até o final. Falando aos jornalistas após o confronto, o comandante argentino também opinou sobre a escolha do time - com Patrick e Edenilson - e o próximo duelo contra o Fluminense. Confira essas e outras declarações:

ENTREVISTA COMPLETA 

TEXTO

"Concordo que fizemos um jogo muito bom, que ocorreu como havíamos pensado, mas simplesmente temos de seguir trabalhando. Eu sempre penso que podemos melhorar. Os times do Brasileirão são muito parelhos. Precisamos manter uma ideia de jogo e é dessa maneira que iremos nos manter da melhor maneira. Eu levo tudo com tranquilidade. A dinâmica do futebol atual faz com que tudo seja muito rápido, ainda mais aqui no Brasil, onde se tem muitos jogos. Nós jogamos a cada três ou quatro dias e sabemos que estamos em um clube passional. Em uma semana você está por cima e na outra por baixo. Temos de buscar uma continuidade no trabalho. Vejo o grupo convencido de uma forma e uma ideia de jogo (...) Vamos pensando jogo a jogo. Agora nos cabe ir ao Rio, jogar contra o Fluminense, com um treinador (Odair Hellmann) muito inteligente, que fez muito bem o que fez aqui, que conhece a maioria desse plantel".

"A dinâmica do futebol atual leva tudo muito rápido. Ainda há muitos jogos, a cada três dias. Estamos em um clube passional, e isso eleva um pouco mais a dinâmica que falávamos. Uma semana está acima, e outra abaixo. É tentar ter continuidade. As equipes no Brasileirão são muito equilibradas. Temos que sustentar uma forma de jogo e, seguramente, vamos nos sentir cada vez melhor dessa maneira".

Atuações individuais: "Não há titulares nem reservas. Vamos precisar de todos, e vou repetir o que digo sempre: somos um plantel curto. Precisamos que todos estejam 100% .Agora, fala de um grande jogo de Edenilson pela direita, mas já falamos de grandes jogos dele pelo centro. É importante ter jogadores versáteis. Patrick também fez um bom jogo pela esquerda, Boschilia também. Por isso que não gosto de falar individualmente. O time foi bem. Os meio-campistas foram ótimos, Paolo (Guerrero) voltou a marcar, Thiago gerou situações, a defesa foi sólida".

Campeonato Brasileiro: "É necessário tratar de cada partida individualmente. Seguiremos modificando (a equipe) de acordo com como vamos nos sentindo, como temos os jogadores para cada três dias, e também de acordo com o rival. É um torneio espetacular, gosto muito. Por sorte, pude ver todos os jogos, como passam todos. Há uma qualidade de jogadores impressionantes, propostas de jogo boas e diferente"

Nacho Fernández (que pediu para sair do River): "Não podemos pedir coisas que não podemos fazer. É um clube que está fazendo as coisas bem, um clube organizado, que cumpre o que promete com seus jogadores e empregados. Seria mentira se te dissesse que não gosto do Nacho Fernández. Claro que gosto dele. Mas não temos com o que buscar ele, a não ser que eu possa fazer alguma doação desse tipo (risos). Estou muito contente com o que tenho. Temos de seguir trabalhando. Nunca estamos fora do mercado, mas é um mercado de oportunidades. Num mercado onde temos de botar dinheiro, estamos fora".

Sobre as substituições apenas a partir dos 34 minutos do segundo tempo: "A equipe estava bem, não estava sofrendo. Quando o time está bem, não sei se é necessário fazer as trocas.

Sobre altos e baixos da torcida em relação ao time: "Há uma dinâmica muito rápida (no futebol), sobretudo como os treinadores. É necessário ter os pés no chão quando as coisas saem bem e também quando saem mal. É preciso ter tranquilidade quando a coisa se sai bem e quando se sai mal. É necessário estar convencido, os jogadores também, que, quanto mais conscientes somos das nossas limitações, mais iremos nos concentrar em cada jogo. Ser consciente das virtudes é muito mais fácil do que se dar conta das limitações que tem para poder ser protagonista".

"Precisamos ver como vem cada jogador para o próximo jogo. Por isso, descansaram alguns no jogo passado, e vamos ver como chegam no domingo. Não saberia te dizer qual equipe vamos colocar no domingo. Me encantaria já ter a solução e não ter que pensar nela amanhã. Mas a dinâmica do futebol brasileiro é muito variável, dependemos de como estará cada jogador".

Sobre o Fluminense, próximo adversário: "Não conheço totalmente a equipe que vamos jogar. Iremos analisar eles da melhor maneira possível e, depois, preparar o jogo. Vamos tentar mudar algumas coisas onde podemos tirar benefícios".

Odair Hellmann: "Sempre, no futebol, se olha o resultado final. O Inter, com Odair, jogou as quartas da Libertadores e a final da Copa do Brasil. Não é fácil o que ele fez, creio que fez um grande trabalho. Obviamente, os treinadores têm distintas maneiras de pensar, de sentir o jogo. Por isso, há diferenças quando se muda o treinador. No estilo de jogo, no modelo de jogo. Mas é necessário ressaltar os feitos anteriores"

Categorias

Ver todas categorias

Você gostou da 3° nova camisa do Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

884 pessoas já votaram