Texto por Colaborador: Redação 19/09/2020 - 02:46

Em entrevista ao Correio do Povo e à Rádio Guaíba, o técnico Eduardo Coudet rechaçou a venda de outros jogadores do seu grupo atual e evitou apontar a sua equipe como um dos principais postulantes a qualquer dos títulos em disputa até o início de 2021. Confira os principais trechos:

“Sou responsável sim pelo Inter, mas para ser o responsável total, para dar certeza de ser campeão, faltam outras coisas. Me encantaria ter a responsabilidade. Gostaria que me dissessem: 'Chacho, te trago esses cinco jogadores e tu vai ser campeão’. Seria fantástico, mas a realidade não é essa (...) Trocou tudo desde quando foram me buscar (na Argentina). Tudo é lindo, mas quando começa o jogo, dizem Cacho, tem que ganhar. Assim é o futebol. A regra do jogo é assim e eu entendo perfeitamente. A verdade é que falamos de jogadores importantes, de muita hierarquia. Mas veio essa situação da pandemia. Eu queria seguir trabalhando aqui. Entendi a situação. Não foi algo que foi prometido e não foi tentado. Simplesmente não foi possível. Tem que entender e eu entendi”.

Ajustes a se fazer: “Temos que trabalhar para corrigir os nossos erros sempre. É preciso estar atento para olhar os pontos positivos do time, mas também trabalhar para melhorar sempre todos os dias”.

GreNal de quarta: “Primeiro, antes de olhar para o Gre-Nal, eu penso no jogo contra o Fortaleza (amanhã, no Ceará, pelo Brasileirão). Mas cada um tem os seus problemas. Ontem (quarta-feira), montamos o time com dez opções a menos. Não foram dois, foram dez jogadores que não puderam jogar. E vejam que apontam que tomamos três gols em casa! A exigência é a mesma sempre, independentemente da situação e das dificuldades”,

“Vamos competir. Não podemos desviar a cabeça dos desafios. Temos que preparar a equipe da melhor forma para cada jogo. Onde vamos chegar? Não posso afirmar, mas posso prometer que vamos trabalhar e tratar de melhorar sempre”.

Categorias

Ver todas categorias

Você gostou da 3° nova camisa do Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

1666 pessoas já votaram