Texto por Colaborador: Redação 20/07/2021 - 00:00

Em entrevista nesta segunda-feira (19) ao programa Show dos Esportes, da Rádio Gaúcha, Gustavo Grossi, diretor esportivo das categorias de base, analisou os primeiros meses de seu trabalho no Beira-Rio, detalhando as etapas do planejamento trazido por ele ao Colorado. Confira suas principais declarações:

"O time principal tem um caminho que precisa dar certo e ter resultados para tranquilizar a torcida. E nós temos que criar um processo de curto e médio prazo para que, na base, os jogadores que subam saibam como joga o time principal (...) O projeto deve levar três anos para ser equilibrado, e uns outros três anos para transformar o Inter uma referência no futebol brasileiro.

Busca por talentos estrangeiros é uma regra?:  "A base do projeto é o futebol brasileiro, em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul. Se não encontramos aqui, temos avaliadores por todo Brasil. Depois, se há algum diferenciado fora do país que não existe a característica no Beira-Rio, aí se busca, como foi o (Juan Manuel) Cuesta (...) Considero que no Brasil surgem os melhores atletas do mundo. Então para buscar alguém de fora precisa ser alguém diferenciado. Além da diferença de cultura e de vida entre países. Tenho muito claro que aqui no Inter existe uma das primeiras escolas de futebol campeão do país. Sei que não venho inventar nada, é preciso profissionalizar essa paixão e esses processos".

Grossi deixou o River Plate recentemente e assume a função no Celeiro de Ases. Grossi ocupou o cargo de diretor esportivo do projeto de futebol do River Plate de 2016 até este ano. Na sua gestão tinha contato direto com o técnico Marcelo Gallardo e ajudou na formação e integração de diversos atletas que atuam no plantel principal do clube argentino. Na última Libertadores quase metade do elenco do River era formado por jogadores de base.

Categorias

Ver todas categorias

Aguirre é a escolha certa do Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

550 pessoas já votaram