Texto por Colaborador: Redação 21/05/2020 - 19:02

Arsene Wenger, ex-técnico do Arsenal e formado em economia, que agora trabalha como chefe de desenvolvimento do futebol da FIFA, propôs várias ideias após a atual crise de Covid-19. Ainda que possua um foco maior ao contexto europeu, praticamente todas as propostas impactariam o futebol sul-americano e brasileiro. Confira algumas de suas ideias abaixo:

1. Livrar-se da janela de transferência de janeiro

"Sou a favor da abolição da janela de transferências de janeiro", afirmou Wenger ao Mirror. "Os técnicos não lidam bem com esta segunda janela".

"Em outubro, assim que um jogador não joga mais, ele tenta encontrar uma solução em outro lugar e aguarda a partida de janeiro", acrescentou. "Ele não está mais mobilizado, desiste".

Bastante razoável, embora seja preciso dizer que os acordos de janeiro ainda são muito impopulares com a maioria dos treinadores e raramente acontecem. Talvez muito poucos se oponham a esse desenvolvimento potencial na temporada. No Brasil, entretanto, tal mudança desmantelaria ainda mais os times em meio a temporada, ainda que tal fenômeno não seja uma novidade.

2. Estabelecer o teto salarial em clubes individuais

"Sou a favor de limitar a parcela do orçamento de um clube dedicado à folha de pagamento dos jogadores. Em 50%, por exemplo", continuou o francês.

"Metade do orçamento do clube é dedicado aos salários dos jogadores; a outra metade é dedicada à equidade e aos custos operacionais. No Arsenal, essa regra nos foi imposta pelos bancos: não poderíamos exceder uma parte do nosso orçamento nos salários dos jogadores, mas não nos impedindo de pagar salários muito grandes".

3. Agentes de licenciamento ... mais uma vez

"Não tenho problemas com a remuneração de um agente que me faz muito", concluiu Wenger.

"Quando Marc Roger e Jean-François Larios me trouxeram Patrick Vieira para o Arsenal em 1996, quando ele estava prestes a assinar com o Ajax, fiquei feliz em pagá-los. Mas quando tenho que pagar a um agente porque seu jogador estende seu contrato, não estou convencido de que ele tenha feito isso.

"O que me incomoda nas comissões é que um agente pode recebê-las de ambos os lados - o clube comprador e o clube vendedor. É ilegal, mas, ao criar duas estruturas diferentes, às vezes eles conseguem. Sou a favor do retorno aos requisitos de licença de agente. Aquilo foi uma coisa boa."

O licenciamento de agentes foi retirado pela FIFA em 2015. Atualmente, alguns agentes parecem pensar em arrumar os bolsos mais do que pensam nos benefícios de seus clientes.

Categorias

Ver todas categorias

Você aprova a renovação de contrato de Rodrigo Dourado?

Sim

Votar

Não

Votar

738 pessoas já votaram