Texto por Colaborador: Redação 02/05/2021 - 19:18

Paolo Guerrero "está insatisfeito com as recentes declarações públicas que os dirigentes do clube vem fazendo constantemente sobre a situação contratual do atleta". A declaração é do empresário do atacante, Vinícius Prates, divulgada em nota oficial neste domingo, na qual critica a diretoria colorada por "falta de respeito" com o jogador. Procurada pela reportagem da Rádio Guaíba (via Correio do Povo), a assessoria do atleta afirmou que ele não vai se manifestar, mas indicou que a opinião do centroavante condiz com o teor a nota publicada por seu empresário.

O vice-presidente de futebol do Colorado, João Patrício Herrmann, nega qualquer comunicação oficial.

Já na noite deste domingo, o executivo do Internacional, Paulo Bracks, comentou sobre o tema em entrevista coletiva após a derrota para o Juventude: 

"Tomamos ciência da nota via empresário. Vamos tratar disso amanhã de amanhã no CT. Ele tem contrato em vigor. Nós contamos com ele até segunda ordem. Aguardamos a recuperação dele (...) Há empregado e empregador. E nós vamos tratar disso amanhã de manhã no CT. Não temos nenhum tipo de falta de respeito com o atleta. Ele teve uma lesão grave. Estamos cumprindo o contrato. Diariamente falamos com ele. Convivemos. Nos surpreendeu a manifestação do intermediário. Não posso responder pelo atleta. Houve surpresa da nossa parte dessa alegação de insatisfação. Não ouvi nada do Guerrero. Eu li a nota do empresário. Intermediário que já tem uma história com o clube. Surpreende mais ainda. Se for do interesse rescindir o contrato com o Inter, ele sabe o caminho para isso. E não é via imprensa. Nós respeitamos o contrato assinado pelas partes. Temos cumprido nossas obrigações não só com o Guerrero, mas com todas as nossas obrigações. Pelo menos desde que eu assumi, não tenho conhecimento de atraso. O Inter não é refém de ninguém. É maior do que qualquer jogador e intermediário”, finalizou.

Categorias

Ver todas categorias

Tu gostou da nova camisa do Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

574 pessoas já votaram