Texto por Colaborador: Redação 25/01/2020 - 22:10

O Internacional conquistou pela quinta vez o título da Copa São Paulo de Futebol Junior após empate, por 1 a 1, no tempo normal, e vitória nos pênaltis por 3 a 1, no clássico gaúcho contra o Grêmio, disputado no estádio do Pacaembu, na manhã deste sábado (25).

Um dos destaques do jogo foi o atacante Guilherme Pato, que fez o gol de empate do Internacional, já na segunda etapa. “O gol foi feito na garra, na vontade. Uma das minhas principais características é a raça, o fato de não desistir de nenhum lance e eu fico muito feliz por ter feito o gol”, disse em declarações ao site da FPF (jornalistas Letícia Denadai e Natanael Oliveira).

O atleta também confessou que se cobrou muito para fazer gols durante a competição, e comemorou o fato de ter feitos nas semifinais e na final do torneio.

“Eu fico muito feliz por ter feito o gol de empate. Eu me cobro demais sempre para fazer gols na Copinha. Nas primeiras rodadas eu não fiz, mas acabei fazendo dois gols importantes: contra o Corinthians, na semifinais, e agora na final”, concluiu.

Além do atacante, Carlos Eduardo, autor do último pênalti do Internacional, desabafou após a conquista. “A gente trabalha para isso e conseguimos ser contemplados com o título. Se tiver a oportunidade de subir (profissional), a gente tem que estar preparado para chegar lá e fazer bonito. Fui muito criticado ano passado e isso serviu para mostrar para as pessoas que me criticam como tudo acontece na hora certa”.

Capitão da equipe pentacampeã e uma das referências do meio-campo alvirrubro, o meia Cesinha ressaltou a importância da Copinha para o atleta de base e exaltou a conquista diante do maior rival. “Não tem preço, a Copinha é uma competição que todo jogador de base quer jogar e é um gostinho bom ser campeão dessa competição em cima do maior rival. É a realização de um sonho, porque eu já havia jogado a do ano passado, mas não fomos tão bem, e viemos com a meta de ser campeão”, afirmou o camisa 10.

Emerson, goleiro do Internacional, falou da importância da torcida na campanha. “É muito especial, pelo momento e pelas coisas que a gente ouvia dos outros de fora, que a gente não era capaz, e o grupo pode vir aqui, de cantinho, e foi chegando. Ouvir a torcida gritando meu nome foi especial, eles sempre estão apoiando, tanto no profissional quanto na base, e vir aqui para São Paulo, mesmo quem já é daqui, e isso foi muito importante", enfatizou o guarda-metas.

Com defesas fundamentais ao longo do jogo, Emerson também revelou a expectativa por trabalhar com o técnico Eduardo Coudet, recém-contratado pelo Internacional. "É uma boa vitrine para o professor Coudet, tivemos jogos fortes, com nível bem alto e ele consegue ter uma ideia de como cada um vai corresponder", finalizou.

Categorias

Ver todas categorias

Você gostou da 3° nova camisa do Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

885 pessoas já votaram