Texto por Colaborador: Redação 20/05/2020 - 18:55

Hoje completou-se 10 anos de um dos jogos mais marcantes da história recente colorada: a vitória na "neblina de Quilmes". 

Campeão da Libertadores de 2009 ao bater o Cruzeiro na final, o Estudiantes buscava o bicampeonato em 2010, mas acabou eliminado pelo Inter nas quartas de final. O Colorado venceu por 1 a 0 no Beira-Rio e perdia por 2 a 0 até os minutos finais do jogo de volta na Argentina. Após levar dois gols rapidamente (González aos 18min e Pérez aos 20min) e vendo a desclassificação de muito perto, aos 43 do segundo tempo, o meia Giuliano marcou o gol que garantiu a classificação do time gaúcho pelo critério do gol marcado fora de casa.

Campeão da Sul-Americana dois anos antes sobre o time de Veron, quis o destino que os argentinos do Estudiantes fossem os primeiros conhecidos a voltar a cruzar o caminho do Clube do Povo, desta vez nas quartas-de-final da Libertadores de 2010. E se o confronto de duas temporadas antes fora emocionante, se estendendo para além dos tradicionais 180 minutos para ser decidido apenas no segundo tempo da prorrogação, após Nilmar marcar o gol do título do Inter, o duelo disputado há exatos 10 anos, no dia 20 de maio, não ficou para trás.

O jogo de volta foi disputado no Estádio Centenário, localizado na cidade de Quilmes, uma vez que a casa do Estudiantes, em La Plata, passava por reformas. Tendo um adversário que praticamente ninguém do continente gostaria de enfrentar, o Inter sabia que para triunfar seria necessário pôr à prova a tradicional mística colorada. Exatamente por isso, quando os XI de Jorge Fossati entraram em campo, a torcida pôde acreditar que aquela seria uma noite especial.

Por ironia do destino, como o Estudiantes tinha no vermelho a cor predominante de seu uniforme, o Inter não teve alternativa senão ir a campo todo de branco, assim como na decisão do Mundial. A sorte parecia abraçar a equipe gaúcha, fazendo sorrir a Maior e Melhor Torcida do Rio Grande, que lembrava dos feitos de Fernandão, Iarley, Gabiru e companhia. Ficava claro que, se os argentinos mereciam respeito e atenção, não menos importante era a história multicampeã do Inter. Se o acanhado estádio lotado e a camisa adversária assustavam, também aterrorizados os locais deveriam se sentir enfrentando o Clube do Povo do Rio Grande do Sul, que iniciou o duelo com Abbondanzieri; Bolívar, Sorondo e Fabiano Eller; Nei, Sandro, Guiñazú, Andrezinho, D’Alessandro e Kleber; e Alecsandro.

Os primeiros minutos de partida, todavia, obrigaram a torcida colorada a abandonar a nostalgia das boas lembranças do passado, dando lugar ao nervosismo. O Estudiantes, incendiado por sua torcida, desde o início do jogo adotou postura agressiva e, regido por Verón, conseguiu abrir 2 a 0 antes dos vinte e cinco minutos do primeiro tempo. Como o resultado já garantia a classificação do time da casa, os argentinos passaram a cozinhar o jogo, seguindo à risca a cartilha ‘matreira’ que faz parecer que os hermanos nasceram prontos para jogar a Libertadores.

Mesmo com as mudanças do técnico Jorge Fossati, que deixaram o Inter mais ofensivo, o panorama da partida não foi alterado no segundo tempo. Os minutos passavam, a tensão crescia, e a classificação parecia cada vez mais distante. À exceção de falta cobrada por Andrezinho e de bom chute de Walter, que substituira Nei, o Colorado tinha dificuldades em chegar ao ataque.

O caldeirão de Quilmes fervilhava com a festa da torcida da casa, comemorando vaga que já parecia garantida. Os próprios jogadores do Estudiantes inflavam seus torcedores, que retribuíam acendendo cada vez mais sinalizadores. O goleiro Orión mal podia ser visto em meio à espessa nuvem de fumaça que partia da multidão localizada atrás de seu gol. Enquanto isso, Verón prendia a bola, cavando faltas e laterais, deixando o tempo passar. Aos 43 minutos, entretanto, La Brujita errou.

Embora fosse uma lenda viva, o capitão do Estudiantes não conseguiu superar a força da tradição colorada, que não deixaria passar impune sua disparate tentativa de imitar o que Iarley e Rubens Cardoso haviam feito com maestria no Japão quando, vestindo o mesmo branco que o Inter usava em Quilmes, prenderam o Barcelona em seu campo de defesa entre faltas, laterais e escanteios. Assim, restando menos de dois minutos para o fim do tempo regulamentar, a bola retornou à posse gaúcha, que tinha tiro de meta para Abbondanzieri cobrar.

O multicampeão goleiro lançou Walter, na esquerda da intermediária de ataque colorada. O centroavante matou a bola no peito e protegeu com o seu pé direito, esperando a aproximação de um segundo defensor adversário para, então, acionar Andrezinho. Com um giro perfeito, o meio-campista se livrou do primeiro marcador, ganhando espaço para pensar. Ao mesmo tempo, Giuliano percebeu uma lacuna na fechada defesa argentina e se projetou. Esbanjando talento, André deu assistência genial para o jovem camisa onze colorado. Neste instante, o tempo parou.

Eram cerca de 700 os colorados e coloradas presentes nas arquibancadas do Estádio Centenário. Outros milhões espalhados pelo mundo. Em comum, nenhum destes conseguia enxergar o que se passava graças à fumaça dos sinalizadores, que prejudicou a visão tanto dos que estavam na Argentina, concentrados atrás do gol oposto ao que Giuliano se preparava para fuzilar, quanto dos que acompanhavam pela TV, sofrendo com a prejudicada imagem das transmissões. Felizmente, a cegueira não afetou o jovem goleador colorado que, com o pé direito, chutou rasteiro. Como pôde, Orión tentou – e quase conseguiu – operar um milagre, mas não existia catimba ou bruxaria alguma que os argentinos pudessem fazer. De mansinho, chorosa, a bola entrou no canto. Gol do Inter, e o Centenário se transformava no Beira-Rio.

O apito final veio após três minutos de acréscimos que em nada alteraram o resultado da partida. Assim que o jogo foi encerrado, D’Alessandro e Walter dispararam em direção à torcida gaúcha, subindo no alambrado para comemorar junto às centenas de enlouquecidos. Desgostosos e irritados com a desclassificação, os atletas da casa provocaram uma briga generalizada no gramado, confusão que em nada diminuiu a alegria dos classificados, que transformaram o vestiário de Quilmes em um verdadeiro carnaval, festejando e cantando sem parar.

Quatro anos depois, o Inter retornava a uma semifinal de Libertadores. A exemplo do que ocorrera na fase de quartas de final, o novo adversário também não teria nada de inédito na história colorado: o São Paulo, derrotado na final de 2006, prestes a ser novamente superado pelo Clube do Povo.

Recentemente, Verón declarou que aquele Estudiantes foi o melhor time em que jogou na América do Sul. "Joguei em grandes equipes e com grandíssimos jogadores. Destaco o Parma, que era um time que não jogava ao estilo italiano. Vencíamos por 6 a 3, 4 a 1, 4 a 0. Era um time que não tinha medo. Aqui (América do Sul) creio que foi o Estudiantes de 2010, que caímos nas quartas de final da Libertadores para o Inter. Essa equipe sobrava em relação a qualquer outra aqui na Argentina. Era um time que se conhecia de memória e que jogava bem", avaliou Verón, que jogou no Boca Juniors de Maradona no começo da carreira.

LANCES

JOGO COMPLETO

Categorias

Ver todas categorias

Você aprova a renovação de contrato de Rodrigo Dourado?

Sim

Votar

Não

Votar

737 pessoas já votaram