Texto por Colaborador: Redação 19/10/2020 - 18:15

Confira um breve compilado com algumas análises do triunfo colorado sobre o Vasco, pela 17° rodada do Campeonato Brasileiro, que colocou o time de Chacho no topo da tabela, mas ainda dependente de um tropeço do Atlético-MG, na sequência do calendário. Com gols de Edenílson e Galhardo, os comandados de Coudet alcançaram o quartro triunfo consecutivo, algo inédito até aqui no Brasileiro. Veja abaixo:

LELÊ - RBS

Inter marcou dois gols no primeiro tempo e de novo soube administrar o gás, porque a semana nos apresenta jogo decisivo pela Libertadores e um confronto chave com o Flamengo. A vantagem de dois gols conquistada já no primeiro tempo, pela quarta vez consecutiva, foi construída com absoluta tranquilidade, sem margem para questionamentos.

Vimos tudo que um time pode apresentar pra vencer: controle total da bola, variações de posicionamento, criação de jogadas de ataque – sem afobação pelo gol ter demorado um pouco. Com o jogo sob total controle, e já sabendo o que nos espera nos próximos dias, o segundo tempo foi de pouca agressividade, pura administração e nenhum risco.

Se na quinta-feira tivemos que seguir correndo atrás de ampliar o placar porque a defesa vazou, neste domingo ela foi praticamente perfeita. Até imaginei que, pelo andar do jogo, Coudet faria mais substituições, mas elas só vieram após a metade da etapa final. O Inter está, de novo, na ponta da tabela do Campeonato Brasileiro mais equilibrado dos últimos anos. E não é por acaso.

O Galo joga segunda-feira à noite e pode reassumir a ponta. Mas a partida que o Inter fez foi digna de líder do campeonato.

MAURÍCIO SARAIVA - RBS / GE

O primeiro tempo do Inter foi de plasticidade misturada a competitividade. O 2x0 poderia ter ido a 3 ou 4, tanta a superioridade coletiva e individual do Intervalo sobre o Vasco. No segundo tempo, o que gritou foi o instinto de preservação de quem tem jogo grande de Libertadores quinta-feira no Chile. Se mantiver o nível de atuação da vitória sobre o Vasco, ganha também da Católica. O trio de protagonistas jogou muito bem de novo. Edenílson, Patrick e Galhardo atuaram em alto nível e conduziram o que o Inter fez de melhor na partida.

FILIPE DUARTE - GZH

Inter é o "intruso" da liderança do Brasileirão até aqui. Antes do campeonato, Flamengo e Atl-MG já eram apontados como postulantes. Pode não vencer o título (e até penso que não vai), mas trabalho de Coudet é sensacional, dadas as dificuldades (lesões, calendário e elenco).

Atlético-MG pode até ganhar do Bahia amanhã, mas o importante pro Inter foi se manter no topo neste período em que pôde apenas se dedicar ao Brasileirão. Agora, Colorado passará a dividir atenções com Libertadores (deve passar) e Copa do Brasil.

Por conta da vantagem construída no 1°T, Inter reduziu o ritmo no 2°T e permitiu que o Vasco crescesse. Ainda assim, encaixou algumas escapadas e poderia ter feito mais gols. 

CRISTIANO OLIVEIRA - GUAÍBA

Vitória tranquila do Inter. No 1º tempo, forçou as jogadas, criou e abriu vantagem com facilidade. A partir do intervalo, optou por esperar e proteger sua área.

Em nenhum momento o Vasco esteve perto de uma reação. Placar não foi ameaçado.

VINÍCIUS FERNANDES - FOOTURE

 Os que ainda são reticentes ao trabalho do Coudet argumentam com um clássico “é bom, mas tem que ser cobrado”

TODO PROFISSIONAL tem que ser cobrado e prestar contas, mas esse é um trabalho inegavelmente bom e precisa ser apoiado. Já disse: de fogo-amigo o Beira-Rio já tá cheio.

FERNANDO CAMPOS - DAZN

O trabalho de Coudet colocou o Inter na briga pelo Brasileirão. Lidera parcialmente mesmo sem Guerrero, sem um investimento alto e com sua organização como carro-chefe. Desenvolveu jogadores (Galhardo voando) e uma ideia clara de jogo. Está na 1° prateleira de técnicos do país.

IMPRENSA NACIONAL (VÍDEO)

Categorias

Ver todas categorias

Tu aprova o nome de Abel Braga para substituir Coudet até fevereiro?

Sim

Votar

Não

Votar

633 pessoas já votaram