Texto por Colaborador: Redação 03/06/2021 - 22:55

No Barradão, Galhardo marcou, e o Colorado, na terceira fase da Copa do Brasil, largou em vantagem. Após a vitória por 1 a 0, Miguel Ángel Ramírez concedeu coletiva exclusiva, e também repercutiu a atuação do Clube do Povo. Confira as principais aspas:

DECLARAÇÕES

Partida: “No primeiro tempo, havia muito menos espaços. Era impossível entrar, e foi algo que falamos. Incentivamos que finalizassem de fora da área. Na segunda etapa, existiam mais espaços. Parece que não tivemos ocasiões, mas tivemos, só que se acumulava muita gente na área.”

Dificuldades: “Temos pouco tempo de treinamento. Não se pode treinar tudo o tempo todo. Seguramente, houve um maior volume de trabalho para que possamos produzir. E estamos trabalhando também no último terço, nas finalizações. E o fator da sorte creio que está nos faltando (...) Temos muitos jovens. Johnny, Ramos, Mauricio, Mazetti. Temos que ter paciência com eles. Eles precisam se acostumar com a pressão no futebol. Precisam desenvolver as ferramentas pra isso".

“Não tivemos pré-temporada. Numa segunda fizemos provas médicas, na terça, físicas, tivemos três dias, e competimos no sábado. Então, é impossível, em um período competitivo, chegar a uma condição física ótima para alto rendimento. Com isso, perde o espetáculo (...) O Inter vem de uma temporada com alta carga de partidas. Já vinha em um descenso físico nos últimos jogos da temporada. Tiveram 10 dias de férias e já precisaram estar em nível competitivo depois disso. Vi ao final do Brasileirão ano passado. Alguns jogadores caminhavam, pois já não podiam dar mais. O volume de partidas prejudica o espetáculo. Não só no Inter, mas em todos. São várias competições simultâneas. É uma loucura".

Forma física dos jogadores: "Essa equipe, vem do ano passado com uma carga de partidas alta, em que há uma cada da preparação física nos últimos meses. E começamos já competindo, sem uma pré temporada. É impossível, em um período competitivo, chegar a uma condição física ótima, para alto rendimento. Não só para o Internacional, se passa para todas as equipes"

Retorno de Boschilia: "A volta do Boschilia é uma grande notícia para o Inter. Jogador de muita hierarquia. Um grande reforço. Vai nos ajudar muito".

Atuação de Johnny: "Disse que o momento do Johnny ia chegar Posso lançar jovens, mas precisam de proteção. Gostei do rendimento dele hoje. Ele tem muito caminho pela frente. É um plantel com muitos jovens. É preciso ter paciência. Johnny estava rodeado por jogadores experientes".

Taison: "Há partidas que o Taison estará perto da área. Outras ele começará a construção para que possamos chegar na área. Ele tem cultura tática. Entende tudo. Temos que ter um pouco de paciência com ele. Estava sem jogar na Ucrânia. É um grande líder. Ajuda os companheiros e me ajuda muito também. Ele viveu coisas que não vivemos. Buscamos conversar e aprendemos juntos".

Uso de Daniel como titular: "Temos excelentes goleiros. Lomba é incrível. É muito difícil de tirar ele do gol. Danilo teve azar com lesões, mas também é de alto nível. Daniel vem evoluindo e o clube quer dar continuidade a ele. Ele sabia que sua chance iria chegar.  Nesse posto, está assegurado o presente e o futuro."

Projeto: "Quem tenta fazer algo diferente no futebol brasileiro se queima. O Inter quer ter um projeto de futebol e fazer as coisas de uma maneira. Se não vierem os resultados, isso se queima e seguirão fazendo as mesmas coisas dos últimos anos; Inter quer ter um projeto! Com esse calendário, no entanto, o futebol nunca vai revolucionar. Nunca há tempo de implantar coisas novas. A paciência ajuda a evoluir. Sem paciência, jogando a cada 3 dias, é impossível".

Libertadores: "Não queria o Olímpia. Tivemos dois jogos complicados com eles. É um gigante. Vai ser complicado".

Categorias

Ver todas categorias

Aguirre é a escolha certa do Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

5 pessoas já votaram