Texto por Colaborador: Redação 05/01/2021 - 18:32

O novo diretor-executivo de futebol do Inter, Paulo Bracks, concedeu na tarde desta terça-feira (5) a primeira entrevista como profissional do clube. Substituindo Rodrigo Caetano num dos principais cargos alvirrubros, Bracks ressaltou, entre outras coisas, o desejo de levar o Colorado novamente ao caminho das vitórias. Vindo do América-MG para trabalhar na gestão de Alessandro Barcellos, confira sua apresentação e principais declarações:

TEXTO

"O Internacional sempre foi conhecido como um clube vencedor de títulos nacionais, internacionais e a nossa busca é por voltar a ganhar. São quatro anos sem títulos no futebol masculino, nem Campeonato Gaúcho, e vamos buscar mudar isso. Estou com sangue nos olhos e uma fome muito grande de fazer o Internacional ganhar títulos do tamanho do clube. Me sinto apto para ajudar o clube e motivado para esse trabalho".

"Sou um cara que tem um certo apreço por falar com a imprensa, eu gosto, eu me sinto bem. E é normal, dentro da funçãl de executivo, ter pressão. Óbvio que a cobrança é grande, mas eu também espero um apoio muito grande”.

"Os desafios são maiores, as metas são maiores, mas as ferramentas para isso também são maiores. Eu me sinto preparado e muito apto a desempenhar essa função".

"Não conversei com nenhum outro treinador, apenas com Abel Braga. Nós estamos com foco total nos 11 jogos que restam para encerrar a temporada. Não é o momento de falar de novos jogadores ou outros assuntos. Encontrei uma equipe de trabalho muito qualificada aqui no Clube. Também encontrei uma estrutura de ponta do futebol brasileiro. Nossa busca é por voltar a ganhar"

Função de Julinho: "Ele não vai estar dentro do campo como treinador, mas auxiliando na transição, na prospecção e os encaixando na metodologia como um gerente de transição, algo que eu fazia com auxílio de outros profissionais no América-MG e que vou ter alguém com expertise muito grande, com conhecimento do Inter e do futebol gaúcho. Tive um reunião com ele, falou de mais de 30 atletas que passaram por ele e tiveram sucesso, então ter alguém ao meu lado auxiliando nessa transição de base profissional será muito importante".

Aumentar a utilização da base: "Essa meta não é simplesmente ter um número estanque, é ter esse número performando. A gente pretende, com o trabalho de um ou dois anos, que eles tenham minutagem qualificada no elenco profissional. Claro que se você fizer a passagem simplesmente, ocupa 40% ou 50% de atletas do sub-20, mas não é essa a meta. Queremos que eles estejam performando, jogando partidas importantes, como Praxedes, Caio Vidal, Heitor, Zé Gabriel, Peglow. Para o futuro, quero falar de 10, 15 jogos, com minutagem qualificada. Isso que a gente vai buscar no nosso trabalho do dia a dia".

Coordenador técnico: "Essa busca pelo coordenador técnico está sob avaliação. Não há nenhuma decisão tomada nesse sentido, até porque a minha principal atribuição no momento é trabalhar com o que já existe hoje".

Metodologia: "Utilizaremos a ciência de dados na busca por atletas pontuais, em um mercado bem específico. O Inter tem uma ferramenta para prospectar atletas e fazer essa busca não de forma quantitativa, mas qualitativa. Eu, como executivo, prefiro não gastar. Gosto de formar, trabalhar com calma, paciência e convicção do que buscar jogadores com cifras altas."

"Nomes no mercado eu vou ter em minha mesa junto com o CAPA, mas não é o momento de falar em jogadores, lacunas no elenco, propostas. Estamos em meio a uma competição, em um ponto chave dela, não quero que nada desvie nossa atenção".

Encerramento da temporada: "O São Paulo tem nove pontos do Internacional hoje. Nove pontos é possível tirar. Se há a possibilidade e há a crença dentro do grupo de que podemos buscar o título, Vamos buscar o título nessas 11 rodadas que ainda temos. É possível tirar 9 pontos, mas, se não der, vamos buscar a vaga direta na LA, que é uma competição importante para o calendário do clube."

Rodrigo Caetano: "Sempre foi um paradigma para mim, é uma honra o substituir, ou tentar substituí-lo aqui no Internacional. Tem de se elogiar o trabalho feito, porque, hoje, o time está brigando pelo título no Brasileiro"

Categorias

Ver todas categorias

Miguel A. Ramírez é o nome certo para comandar o Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

849 pessoas já votaram