Texto por Colaborador: Redação 13/05/2020 - 18:01

Enquanto federações e clubes discutem sobre como e quando poderá haver o retorno de treinamentos e competições no Brasil em meio à pandemia de Covid-19, outras questões além da saúde e econômica entram em pauta, de acordo com o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, que também é advogado. Líder da Comissão Nacional de Clubes, o mandatário tricolor explicou durante uma live no “Papo Trabalhista” que a questão jurídica também é um empecilho para o retorno aos gramados (via / Globoesporte e NetFlu).

"E entra na esfera trabalhista também. Com a decisão do STF recente, com relação à doença ocupacional, a partir do momento que se testa 40 jogadores e eles não estão infectados, você atrai o ônus para o empregador, pelo menos na minha visão. Se o funcionário entra, não tem nada e contrai o vírus depois que retornou… Não posso negar que muitos atletas, não só do Fluminense, gostariam de voltar a treinar presencialmente. Tenho dito que vai chegar esse momento, mas quando a gente entender que não está se colocando a vida dos outros em risco. O argumento de que atleta não é grupo de risco não me convence como ser humano. Todos têm avôs, esposas, filhos em casa."

"Se tivéssemos a possibilidade de ficar toda a comunidade do futebol confinada em três, quatro hotéis, e jogar, diminuiria muito o risco do contágio. Mas como as realidades são diferentes… Ouço pessoas falando assim: “Estamos no mesmo barco”. Não! Estamos na mesma tempestade, mas os barcos são diferentes. Tem gente de navio, lancha, iate e canoa sem remo. Existem clubes de menor expressão que não têm CT, têm mais dificuldades. No nosso próprio CT, a parte de campo e vestiário está terminada, mas não temos dormitório, por exemplo. Não sou inocente e infantil a ponto de achar que quando tudo retornar não vamos conviver com o vírus. Óbvio que vai, certamente continuaremos de máscara, pelo que tenho ouvido de médicos experientes. Que isso siga até setembro, outubro, novembro… A discussão é matemática. Quando a gente olhar e tiverem 30 mortes por mês, e estiverem sobrando mil leitos, aí sim voltam as atividades para manter a economia funcionando. Vamos atender a todos os protocolos, invariavelmente uma ou outra pessoa vai se contaminar, mas tendo a possibilidade de todos serem atendidos.

"Suponhamos que voltem os jogos no pico pandêmico, um atleta se choca com outro no ar, bata a cabeça e precisa de uma UTI porque teve uma lesão mais grave, uma fratura… Corremos o risco de não ter UTI para atender, como não somos serviço essencial. Em que pese que o povo inteiro ama. Futebol sempre fez parte da minha vida e hoje, como presidente, faz da minha vida e do meu trabalho. Não estamos nem 60 dias em casa. Diante de tantos anos que a gente passa pelo mundo, tem tanta vida pela frente, por que não pode esperar só mais um pouquinho e voltar com mais segurança e preservando as pessoas?"

Categorias

Ver todas categorias

Você aprova a renovação de contrato de Rodrigo Dourado?

Sim

Votar

Não

Votar

2991 pessoas já votaram