Texto por Colaborador: Redação 23/04/2021 - 11:59

O Inter apresentou nesta sexta-feira o meia-atacante Taison. O jogador realizou na manhã desta sexta-feira o seu primeiro dia de atividades no clube, e ao meio dia concedeu entrevista Coletiva virtual de apresentação na sala de imprensa no Gigante da Beira-Rio. Confira como foi.

VÍDEO:

DECLARAÇÕES:

Alessandro Barcellos (Presidente): "Boa tarde! O Inter, com muita satisfação, vem apresentar, ou melhor, reapresentar nosso novo reforço. Um reforço importante, o Taison. Conhecido por todos vocês, por tudo o que representa para a torcida colorada, para aqueles que, junto com ele, tiveram momentos inesquecíveis".

"Há algum tempo, o Taison demonstra a vontade de estar aqui conosco. Pudemos realizar um sonho dele e nosso. Para que possamos dar continuidade a esta bela história de colorados que fazem este clube cada vez mais forte".

"Peço um parênteses. O Bento, filho do Paulo Bracks, mineiro, mas que já nasce com a camisa do Inter".

"Hoje podemos anunciar o Taison. Queria falar sobre dois aspectos. Estamos contratando um grande jogador, de nível mundial. O Inter não teria condições de financeiras de dar conta pela multa em razão do tamanho deste atleta. Mas a vontade permitiu que concretizássemos a contratação. Um agradecimento muito especial pelo teu esforço diário, do teu estafe".

"Fica o registro que trouxemos um jogador com grande potencial no futebol mundial. O segundo registro é que chega um jogador com a cara do Inter, com a identidade. Um jogador, um exemplo de carreira. Chegou humilde de Pelotas. Tem uma carreira vencedora, ganhou o mundo. Hoje podemos ter conosco um jogador identificado com o povo colorado. Isso tem um valor muito forte. Preservamos a identidade de clube do povo, que faz sua história com muito suor e trabalho. Está no semblante dele a alegria. Você já é da casa, conhece os cantos do Beira-Rio, nossa história, nossa torcida. Não precisamos abrir porta. A casa é tua. O clube estará a teu lado para construir uma nova etapa da tua vida".

“É um sonho dele e um sonho nosso. Queremos dar continuidade a essa bela história. Agradecer a todos que fizeram parte disso”.

“Estamos trazendo um jogador com a cara do Internacional. Um exemplo de atleta. Com uma carreira vencedora. É um jogador identificado com o povo colorado. Isso tem um valor muito forte”.

João Patricio Herrmann (Vice de futebol): "É uma satisfação estar aqui com vocês e anunciar o jogador que ficou fora 11 temporadas, mas que vem com muita experiência, com mais de 400 jogos em uma liga extremamente competitiva. Volta com 33 anos, maduro, experiente, para ocupar um espaço no nosso elenco. Te dou boas vindas. O Inter, além da tua casa, tem um ambiente moderno, estádio moderno. Uma estrutura diferente de quando você saiu. Nosso grupo é equilibrado, uma comissão aberta ao diálogo. Com a qualidade técnica, nos ajudará bastante. Agradeço ao esforço e dizer seja bem vindo, meu amigo. É tua casa e vamos trabalhar".

Paulo Bracks (Executivo): "Boa tarde! Apenas complementar as falas do presidente e vice. Foi uma negociação difícil. Como o clima da Ucrânia, começou bem fria. Hoje podemos apresentar. Aqui sempre foi sua casa. Temos um jogador vencedor. Assinou um contrato de, no mínimo, dois anos. Está igual um garoto e à disposição da comissão. Desejo as boas vindas neste regresso".

Taison: "O Taison, quando saiu, tinha 22 anos, campeão da Libertadores, Sul-Americana e do Gauchão. Agora volta mais experiente. Estive em uma Copa do Mundo, 300 jogos pelo Shakhtar, capitão. Agora é uma nova história. Voltei ao clube que eu amo. Agradecer aos torcedores que tiveram paciência de me esperar. Todo ano tinha a novela de eu voltar. Volto mais experiente para ajudar os mais jovens, como ocorreu com Bolívar, D'Alessandro. Volto feliz, bem condicionado, à disposição de todos que precisarem conversar. Volto para conquistar coisas grandes".

Sobre sua passagem na Ucrânia: "É uma liga que vocês não acompanham muito, mas o Shakhtar disputa todos os anos a Champions. Chegamos às quartas de final. O Taison volta mais experiente, com a cabeça mais no lugar. Saí muito jovem. É o mesmo Taison, com a mesma disposição, vontade de vencer, já estar em campo, conhecer meus novos companheiros. É o mesmo Taison que saiu. Podem ficar tranquilos".

Novela para voltar: "Acho que os dois lados. O que eu incomodei o presidente com mensagens para acertar de uma vez. O final do Shakhtar não foi o que eu queria, teve uma discussão. Mas apagaram com a minha saída. Mas não vim aqui a passeio. Vim trabalhar. Estou muito feliz de estar aqui, vestindo esta camisa novamente. Ela fez eu chegar a coisas muito distantes do que sonhei. Só queria jogar no profissional do Inter, jogar no Beira-Rio. Conquistei títulos importantes aqui, joguei na Europa. Não tenho nem palavras a explicar".

Sobre momento mais pressionado do clube: "Vocês também, às vezes... Acho que é o trabalho de vocês. Mas o Inter disputou títulos, Copa do Brasil, até o último jogo o Brasileirão. Infelizmente, não conseguimos. Sou torcedor e estava torcendo. O grupo é muito forte. Tem uma comissão técnica que precisa de tempo. Cheguei para ajudar, mas também ser ajudado. Eu preciso também. Estou aberto a conversar, receber tudo. Estou muito feliz e que seja um ano maravilhoso para nós".

Sobre ser Colorado: "Ser colorado é conquistar. A torcida quer títulos. Não só a torcida, mas jogadores, direção. É só demonstrar. O grupo é forte. Precisamos ganhar. Primeiro temos que fazer por merecer. Isso não vem de um dia para o outro. O grupo está muito focado. A estreia na Libertadores já passou e vamos esquecer. Amanhã tem o Esportivo e depois a Libertadores. Estarei com eles à tarde. Passarei meu lado colorado e fechar com eles neste grupo que já é forte".

Quando poderá atuar: "Contra o Esportivo não. Cheguei ontem à noite. Fiz testes, me senti muito bem. Treinava lá. Minha escalação não depende de mim. O Mister definirá se jogo na terça ou na próxima. Estou à disposição dele. Pretendo estrear logo. Quero ajudar".

Conversas com Ramírez: "Não tive a conversa com o Mister ainda. Ainda não pude vê-lo. Daqui a pouco conversarei com ele. Me sinto bem em qualquer uma das funções, pelo lado ou por dentro. Estarei à disposição. Depende dele e vou ajudar o grupo e ele".

A camisa 10: "O D'Alessandro só me ligou e deu os parabéns por voltar ao clube. Tive que pedir a permissão para vestir a 10. Camisa que ele ganhou tanto. Ele liberou. Estou muito feliz por estar aqui, voltar ao meu clube. Espero trazer alegrias ao torcedor. Foi bem difícil a vinda. O povo na Ucrânia é bem complicado nas negociações, mas cheguei para brigar pelo meu espaço".

A música e a cobrança da torcida por conquistas: "Gostei muito da música, da recepção que tive. Mas não me coloco como D'Alessandro e Fernando. O Fernando conquistou o mundo para o Inter, o D'Alessandro outras tantas. Eu volto para conquistar outras coisas. Saí campeão, mas volto do 0. Eu vim para ser campeão, brigar pelos títulos. Não estou sozinho. Há companheiros, eles são fortes e me ajudarão a conquistar grandes coisas".

Onde prefere jogar: "Escolher lugar eu acho que não vou, não. Não tem muita diferença. Jogando aberto poderei ir ao meio e, se estiver no meio, poderei ir para o lado. Não tem muito de escolher. Depende do Mister. Onde ele me colocar, vou ajudar. Quero ter contato com ele e conversar. Ele quer conversar, conquistar coisas importantes. Isso é o mais importante. Na nossa conversa à tarde saberei".

Sobre ser ídolo da torcida: "Já, cara. Eu me tornei isso para a torcida com muito trabalho. Sempre trabalhei muito e nunca deixei. O trabalho faz você conquistar. Sem trabalhar forte em qualquer setor você não conquista. É jogo a jogo, passo a passo. Não posso pensar em ser campeão com sei eu quantos jogos à frente. Agradeço por ser o que me tornei. Agradeci. Tive outras propostas fora do Brasil, do Shakhtar, mas estava focado em estar aqui. Tenho que honrar isso aqui e farei".

"Eu vim, cara. Mas sozinho não vou conseguir conquistar tudo o que eu quero. Há jogadores de alto nível que sei que ajudarão. Eles querem ser campeões e isso é o mais importante. Ganhei 15 títulos no Shakhtar, fui duas vezes eleito o melhor jogador. Saí vencedor e volto vencedor. Quero vencer. Eu não vim a passeio. Quero ganhar, conquistar títulos e sei que o grupo quer conquistar".

Categorias

Ver todas categorias

Tu gostou da nova camisa do Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

574 pessoas já votaram