Texto por Colaborador: Redação 25/11/2020 - 15:10

Desde a mesma noite em que a série parecia estar definida graças ao 3 a 0 na primeira final na Bombonera, o Grêmio considerou a revanche como uma guerra. Mesmo assim, centenas de carros, ônibus e aviões cheios de torcedores do Boca não paravam de chegar com ou sem passagem, enquanto um enorme Riquelme comandava o Boca em campo em um Olímpico calado. E Miguel Angel Russo fez isso com maestria no banco de reservas...

Em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, mesma cidade onde esses mesmos dois protagonistas não encolheram na final da Libertadores de 2007 e levantaram a sexta Copa do clube com um 2 a 0 fora, partem a partir desta quarta-feira em busca do tão almejado Sétimo.

Logicamente, agora será contra o Inter e não o Grêmio. Mesmo rival que naquela final vestiu o azul e o dourado e fez toda uma manobra para animar a equipe de Russo, com uma grande recepção à equipe e aos seus torcedores. “Oficialmente queremos que o Boca ganhe”, disseram os líderes da Camisa 12, maior organizada da época.

A cidade também é a mesma em que Russo esteve na fase de grupos da Libertadores 2019 com o Alianza Lima (2x0 para os colorados), agora o faz como técnico do Boca. E a memória não o falha. “É algo que fica na minha memória permanente, mas agora é outra coisa”, disse o treinador quando questionado sobre o regresso a um destino em que tocou o céu com as mãos e que voltou a pisar ontem. "Estamos diante de uma equipe importante", acrescentou, que definirá a sua equipe na hora da partida.

Para o treinador xeneize, será também o seu retorno aos jogos fora de casa depois de ter sido salvo para prevenção pelo coronavírus contra o Libertad, no Paraguai, e o DIM, na Colômbia, quando foi substituído pelos assistentes Leandro Somoza e Mariano Herrón. “Oitavas de final, equipe brasileira, importante ... Temos que fazer o nosso trabalho. São jogos de 180 ', não de 90'. Sabemos o que a Copa significa e muito mais para o Boca ”, reconheceu o treinador.

E acrescentou: “Temos uma equipa importante e também somos. Você não escolhe seus rivais. O caminho está cada vez mais curto e os rivais cada vez mais difíceis ”.

Fonte: Ole

Categorias

Ver todas categorias

Miguel A. Ramírez é o nome certo para comandar o Inter?

Sim

Votar

Não

Votar

669 pessoas já votaram