Texto por Colaborador: Redação 21/06/2020 - 11:20

A rádio Bandeirantes conversou na manhã deste domingo com Alessandro Barcellos, vice de futebol do Inter. O dirigente falou sobre a questão da mudança das restrições em Porto Alegre, em decorrência do aumento da ocupação de leitos em UTI pelo Covid-19, além do crescimento de 92% de óbitos em Porto Alegre desde a última semana, a região da capital do Rio Grande do Sul ganhou bandeira vermelha na nova atualização realizada neste sábado (20) pelo Governo do Estado. Confira os principais trechos.

TEXTO:

A mudança do governo com o aumento das restrições: "Neste momento, há maiores restrições aqui e isso nos parece uma decisão técnica, e cabe aos clubes buscar alternativas para oferecer condições de segurança, não só aos atletas, mas também à sociedade".

Soluções: "Esperamos chegar a um entendimento das normas, como os restaurantes, que têm funcionamento até determinada hora. Esperamos que o futebol tenha um regramento específico e se adeque a essas regras".

Futuro do Gauchão: "A cada semana que passa, ficamos mais preocupados em relação aos planos estabelecidos. Até em relação às demais equipes, que têm de ter uma preparação adequada. Mas é cedo para dizer se o Gauchão está comprometido".

O Futebol: "Sobre o futebol, a gente tá vivendo um momento muito difícil sobre o que é a vida de um clube. Estamos sentindo muito. É uma preocupação muito grande".

Parte financeira: "Tivemos um aumento na inadimplência, atuamos e nosso torcedor respondeu muito bem. Tivemos antecipações de mensalidades, uma nova modalidade do sócio da carteira vermelha, com acesso direto ao estádio".

Retomada dos treinos: "Acreditamos ser possível, dentro dos protocolos de segurança, mantermos os treinamentos. Vamos aguardar a posição do prefeito e a partir de amanhã avaliar as possibilidades de manter os treinos".

Contratações: "Temos trabalhado no limite. Quando alguns falam em contratações, chega a soar ruim que se levante isso. Pretendemos manter nossas obrigações em dia. À medida que a parada aumenta sem futebol, a situação vai ficando mais difícil".

"Temos trabalhado nossas receitas para cumprir nossas obrigações de salários. É uma prioridade: manter nossas obrigações legais em dia. Está sendo muito difícil fazer futebol neste momento".

Sobe a MP do governo: "Estamos estudando a medida (das transmissões). Ainda não há uma posição do clube. Acho, particularmente, ruim uma medida que transforma todos os clubes ser tratada sem um debate amplo".

Categorias

Ver todas categorias

Você aprova a renovação de contrato de Rodrigo Dourado?

Sim

Votar

Não

Votar

3022 pessoas já votaram